fbpx

Category: Informações Mercadológicas

Indicadores de desempenho

4 indicadores de desempenho de funcionários para utilizar no seu negócio 3 semanas ago

Você sabe exatamente como está o desempenho dos seus vendedores? Sem esse acompanhamento, é difícil encontrar os pontos que requerem melhoria. Além disso, não é possível oferecer reconhecimento para aqueles que realizam um bom trabalho, o que pode acabar desanimando esses profissionais. Uma maneira de lidar com essas questões é estabelecer e acompanhar indicadores de desempenho.

Todo gestor precisa saber para onde sua empresa está indo e o acompanhamento de indicadores ajuda muito nisso. Mensurar os resultados dos funcionários e do negócio possibilita trabalhar para corrigir erros antes que seja tarde demais. Por isso, continue a leitura e conheça 4 indicadores de desempenho de funcionários que você deve acompanhar a partir de hoje.

1. Itens por atendimento

Já que você faz um bom trabalho de divulgação para trazer clientes para a loja, é preciso aproveitar bem a oportunidade de agregar mais itens em cada venda. É por isso que um vendedor não pode ser apenas um atendente: ele precisa ter iniciativa e recomendar outros itens além daquele que o cliente desejava a princípio.

Dessa forma, acompanhar a quantidade de itens por atendimento possibilita verificar a qualidade do trabalho do vendedor. Se você concluir que o profissional não está fazendo um bom trabalho, poderá conversar com ele para entender o que está acontecendo e definir estratégias de acordo com cada caso.

2. Ticket médio

O ticket médio é uma relação entre o faturamento e a quantidade de atendimentos. Quando os vendedores sabem que serão acompanhados com base nesse indicador, passam a entender o quanto é importante se concentrarem para fidelizar o cliente que já está dentro da loja.

Isso pode ajudá-los a melhorar a postura com respeito à oferta de produtos e à forma como tratam o cliente. Com isso, passam a fazer mais vendas agregadas à medida que sugerem outros itens para o comprador. Além disso, agem com cordialidade e empatia, o que é ótimo para aumentar o ticket médio e garantir que as pessoas voltem à sua loja.

3. Taxa de conversão

Essa taxa indica o quanto a equipe da linha de frente consegue aproveitar as oportunidades para fazer vendas. Trata-se de uma relação entre a quantidade de pessoas que visitam a loja e aquelas que realmente fazem uma compra.

Talvez você esteja se perguntando: como vou saber quantas pessoas entram na loja? Uma maneira é contar por um tempo quantos visitantes chegaram e usar essa média para estimar a quantidade no decorrer de um dia inteiro.

Também é possível usar aplicativos capazes de identificar, por meio da rede Wi-Fi, quantos celulares diferentes circularam pelo estabelecimento. Além disso, há programas capazes de contar pessoas por meio do circuito fechado de TV.

O acompanhamento da taxa de conversão pode ajudar a analisar o desempenho da equipe de vendas, tornando possível definir formas de capacitá-la para sempre fazer um bom trabalho.

4. Tendência ao atingimento das metas

Se você estabelece metas mensais para cada um dos vendedores, é importante acompanhar a tendência ao atingimento das metas no decorrer do mês. Dessa forma, não será necessário esperar até que o período termine para constatar que determinado vendedor não foi bem.

Assim que você identificar que o desempenho de algum dos colaboradores não está adequado, poderá tomar providências de forma rápida, evitando prejudicar o faturamento do negócio.

É claro que não é possível padronizar um conjunto de indicadores de desempenho que se aplique a todos os empreendimentos. É importante identificar aqueles que fazem sentido no seu caso e que estejam adequados aos objetivos que deseja atingir. Por isso, em vez de focar apenas atividades operacionais, tire tempo para analisar indicadores e criar estratégias para melhorar o desempenho.

Gostou das dicas deste artigo? Para continuar acompanhando as informações que a gente publica por aqui, assine a nossa newsletter. Assim, você vai aprimorar a gestão do seu negócio cada vez mais!

Ações de promoção

4 dicas de ações de promoção para alavancar suas vendas! 4 semanas ago

O marketing promocional é uma das mais importantes ferramentas de alavancagem de vendas. Por ser um método direto de abordagem ao cliente, é o recurso que apresenta a melhor efetividade a curto prazo.

É muito utilizado em tempos de crise, em períodos previsíveis de queda de vendas (como no início do ano) ou na necessidade de angariar mais clientes.

Está precisando dar uma equilibrada no seu fluxo de caixa e evitar que os produtos fiquem encalhados no seu estoque? Ações de promoção podem ser a solução para os seus problemas. Confira este post no qual separamos 4 dicas para você dar um up no seu caixa!

1. Realize concursos culturais

Imagine criar uma atividade em que os seus consumidores e novos clientes lhe ajudassem a trazer mais pessoas para o seu negócio.

Pareceu complicado? Vamos a um exemplo: idealize um concurso que incentive a criação de um slogan com um prêmio para o vencedor. Esse tipo de atividade, além de trazer clientes, ainda criará um slogan com a cara da sua clientela.

Há outras formas de abordagem, por exemplo, a criação de produtos e a escolha de uma nova embalagem.

Você acha que esse tipo de atividade tem pouca atratividade? Pelo contrário, pesquisas mostram que esse tipo de participação estimula a criatividade do cliente e traz interação entre marca e consumidor, tendo um forte poder de adesão. Um ótimo canal para esse tipo de promoção são as redes sociais.

2. Ofereça cupons de desconto

Uma boa pechincha tem um efeito muito positivo sobre os consumidores. Além disso, os cupons de desconto são fortes garantidores de compra. Por exemplo, um cupom válido até determinada data é praticamente um gatilho para realizar uma venda.

Outra vantagem dos cupons de desconto é conseguir segmentar os novos consumidores de outros já fidelizados. O cupom acaba dando flexibilização à oferta, uma vez que você pode gerar diferentes cupons oferecendo promoções específicas para diferentes nichos de clientes.

3. Crie promoções sazonais

Em algumas datas do ano a demanda por alguns produtos ou serviços aumenta substancialmente. Por que não utilizar essas datas comemorativas para vender aqueles produtos que estão encalhados no estoque? Ou melhor, por que não escolher uma data comemorativa para lançar um novo produto na praça?

Conheça a sazonalidade do seu negócio e aproveite esses períodos para elevar seus ganhos. Ações de promoção criativas, além de atrair novos clientes, os fidelizam.

4. Distribua amostras e brindes

Quem não gosta de ganhar um brinde? Um presente provavelmente deixará o seu consumidor feliz. As pessoas guardam na mente experiências positivas, por isso uma amostra grátis pode ser a chave para a fidelização do seu cliente.

Todas essas ações podem trazer sucesso ao seu negócio, mas como saber se a atividade exercida está sendo efetiva? Para mensurar com objetividade o desempenho, é importante estabelecer indicadores medidos antes e após o término das ações de promoção, como: número de leads gerados, número de leads qualificados, ticket médio, dentre outros.

Ficou com dúvidas em relação aos indicadores ou quer saber mais sobre eles? Confira o post que preparamos e entenda como definir seus indicadores de performance!

Custo operacional

Custo operacional: aprenda como calcular e reduzir seu valor 2 meses ago

O custo operacional está presente em qualquer empresa, já que é necessário para mantê-la funcionando. Porém, é importante estar atento às fontes de gastos, pois muitas vezes é viável reduzir seu valor.

Ao conhecer os custos operacionais da loja, é possível planejar melhores preços e aumentar sua competitividade. Além disso, ao adotar estratégias para diminuir as despesas, a empresa passa a ter mais dinheiro disponível para fazer novos investimentos.

Quer saber o que é o custo operacional, como calcular seu valor e reduzir as despesas de sua loja? Veja a seguir!

O que é custo operacional?

Os custos operacionais estão relacionados às despesas que uma empresa tem para manter seu funcionamento. No caso das lojas físicas ou virtuais, algumas das principais fontes de custos operacionais são:

  • aquisição de produtos para estoque;
  • pagamento de funcionários;
  • manutenção de computadores e outros equipamentos;
  • compra de materiais de escritório, como papel e tinta de impressão;
  • aluguel, hospedagem de site, água, luz, internet etc.

Como calculá-lo?

O custo operacional pode variar de um mês para outro, porém é importante calcular uma média dos valores gastos. Assim, é possível fazer um melhor planejamento financeiro e garantir o bom funcionamento da loja.

O primeiro passo para a realização desse cálculo é conhecer a fundo todas as despesas recorrentes da empresa. Para isso, é preciso fazer um levantamento de todos esses gastos mensalmente, com cuidado para não esquecer nenhum valor importante.

Esse levantamento deve ser feito durante um intervalo de tempo específico — geralmente de 3 a 6 meses — e, em seguida, é necessário fazer uma média dos valores obtidos. Para isso, basta fazer uma soma de todos eles e dividir pelo número de meses considerados.

Para saber a porcentagem dos custos operacionais da empresa em relação ao seu faturamento, basta dividir o valor obtido pelo faturamento médio da empresa nos últimos meses e multiplicar o resultado por 100.

Por exemplo, se uma loja tem um faturamento médio de R$ 10.000,00 mensais e uma média de custos operacionais de R$ 1.000,00 mensais, significa que esses custos equivalem a 10% de seu faturamento.

Como reduzir seu valor?

Ao reduzir os custos operacionais, a empresa passa a ter maiores lucros e se torna mais competitiva no mercado. Veja a seguir as principais formas de conseguir diminuir as despesas da loja.

Controle os desperdícios

Os desperdícios de materiais podem ocorrer em qualquer lugar da empresa, mas no caso das lojas é preciso dar atenção especial ao setor de estoque. Portanto, conscientize os colaboradores a fazer o armazenamento e manuseio dos produtos de forma adequada para evitar possíveis danos.

Além disso, é importante conhecer as reais necessidades de sua loja, planejar melhor suas compras e, ainda, fazer uma boa gestão do estoque. Ao girar o estoque de forma mais rápida, é possível evitar problemas com produtos parados há muito tempo.

Negocie diretamente com fornecedores

Procure avaliar melhor os preços praticados pelos fornecedores da loja e fazer negociações para diminuir gastos. Em alguns casos, pode ser interessante até mesmo trocar de fornecedor, não só em relação aos produtos do estoque, mas também aos prestadores de serviços — como telefonia ou internet.

Defina uma meta

Ao definir uma nova meta de porcentagem de custos operacionais a ser atingida em relação ao faturamento, fica mais fácil tomar as medidas necessárias para alcançá-la e visualizar melhor seus resultados. Portanto, estabeleça uma meta realista, informe o objetivo aos colaboradores e faça novos cálculos de tempos em tempos.

Adote um sistema de gestão

Um sistema de gestão permite registrar de forma organizada todos os custos operacionais da empresa, o que facilita seu cálculo e análise. Além disso, ele possibilita um melhor controle de estoque, já que permite conhecer o perfil dos clientes da loja e entender quais são os produtos mais buscados e quais as quantidades necessárias de cada um.

Como você viu, a redução do custo operacional da loja é muito positiva para a empresa, já que permite aumentar seus lucros e manter sua saúde financeira. Para isso, basta identificar as fontes de custos em todos os setores e adotar estratégias para otimizar os gastos do negócio.

Para evitar problemas financeiros e manter a loja funcionando é essencial conhecer bem todas as suas despesas. Confira mais um de nossos posts e saiba qual o custo real da sua loja!

Perfil do consumidor

Afinal, como posso fazer o mapeamento do perfil do consumidor? 2 meses ago

Trabalhar com a venda de produtos ou serviços implica em estar constantemente buscando estratégias para alcançar mais clientes. Nessa jornada de qualquer empreendedor, mapear o perfil do consumidor é uma tática infalível!

Neste texto queremos compartilhar com você as melhores dicas para realizar esse mapeamento de forma prática e eficaz. Continue a leitura e descubra como aumentar suas vendas a partir dessa técnica!

Por que o perfil do consumidor é importante?

Sempre que alguém decide abrir uma loja, uma das primeiras questões a serem resolvidas é a definição do público-alvo.

Saber qual é o perfil dos seus clientes é fundamental se você está expandindo seu negócio ou adicionando mais produtos. Também é possível que as vendas estejam baixas e você está precisando fazer uma revisão de estratégia.

Em qualquer uma das situações, entender o perfil do consumidor é o que vai garantir que você se comunique da forma correta, ofereça o que seu público realmente busca e ganhe destaque entre os concorrentes.

Como fazer o mapeamento?

Mapear seu público consumidor pode parecer complexo. De fato, exige estudo e dedicação, mas os resultados são extremamente positivos e podem garantir o sucesso do seu negócio.

Veja abaixo as principais dicas para um mapeamento eficiente.

Saiba a idade predominante

A idade é um dos fatores que mais influencia os hábitos de consumo de um público. Por isso, é fundamental encontrar formas para identificar a faixa etária dos seus clientes.

Para isso, você pode apostar em pesquisas com formulários nas lojas físicas ou por e-mail. Outra estratégia é usar métricas de mídias sociais para definir seu público a partir dos seguidores.

Aposte em conteúdos segmentados

Na hora de divulgar sua marca, aposte em espaços segmentados e apresente conteúdos direcionados para públicos específicos. Assim, você poderá observar em quais espaços os resultados são melhores, entendendo qual perfil é o ideal.

O marketing de conteúdo também tem sido uma das fórmulas de sucesso para atrair leads para as empresas. A ideia é oferecer conteúdos segmentados que ajudem sua persona e mostrem que sua empresa é autoridade na área.

Entenda o que o cliente quer

Entender a dor do cliente é uma expressão muito usada no mercado de vendas. Isso significa que é fundamental saber do que o cliente realmente precisa e como sua empresa pode resolver os problemas dele.

Para descobrir isso, é interessante, além de muita observação e pesquisa, fazer entrevistas com pessoas que se encaixam em seu público-alvo.

Faça seu histórico de vendas

Se você já tem uma loja em operação e quer expandir para uma rede de lojas, é fundamental se basear no histórico de vendas para alcançar o perfil de consumidor da sua marca.

Para conseguir esses dados, é importante contar com um sistema em sua loja, que cadastre e mantenha registros dos clientes que já passaram pela sua empresa. Esses indicadores serão fundamentais para a ampliação da marca ou mesmo para a criação de estratégias de venda.

Quais ferramentas usar?

Ferramentas de Business Intelligence são grandes aliadas na hora de fazer um mapeamento de perfil de consumidor. Elas vão proporcionar dados e indicadores que poderão dar um amplo panorama do seu público-alvo.

Viu como entender o perfil do consumidor é importante para o crescimento e sucesso do seu negócio? Esperamos que as dicas deste artigo ajudem você a alavancar seu empreendimento!

Se você gostou deste texto, que tal compartilhá-lo com amigos em suas redes sociais?

Integração do ERP com a loja

Veja 7 aspectos relevantes sobre a integração do ERP com a loja! 2 meses ago

Investir na integração do ERP com a loja é uma decisão que contribui consideravelmente para otimizar os resultados de um negócio, visto que a ferramenta proporciona diversos benefícios para as mais variadas rotinas de uma empresa.

Você ainda tem dúvidas a respeito de como isso funciona e por quais motivos deve considerar o uso de um bom sistema de gestão? Elaboramos esta lista com 7 aspectos relevantes sobre essa integração para esclarecer algumas questões importantes. Continue com a leitura e saiba quais são eles!

1. O funcionamento da integração para multilojas

A integração do ERP com a loja permite que qualquer pedido que seja realizado no e-commerce automaticamente gere um pedido de venda no sistema. Com isso, inicia-se uma sequência de processos, começando pela separação do produto e envolve:

  • a baixa no estoque;
  • o repasse de informações para o setor financeiro;
  • a geração do documento fiscal;
  • a preparação para o transporte.

Isso quer dizer que, por se tratar de um sistema de gestão integrada, o compartilhamento de informações é feito de forma automática, permitindo que as atividades sejam feitas em sequência e com o menor risco de erro possível.

No caso de multilojas, o gestor consegue gerenciar todas as unidades em uma só ferramenta, centralizando as informações — o que facilita o controle dos dados e o acompanhamento do desempenho de cada uma delas.

2. O acesso às informações

No caso de um sistema em nuvem — o chamado SaaS —, as informações ficam disponibilizadas de forma online, o que quer dizer que elas podem ser acessadas de qualquer lugar, a qualquer momento, desde que se tenha um dispositivo com acesso à internet. Com isso, o gestor pode acompanhar os processos e os resultados de onde estiver.

3. A contribuição do sistema para a diminuição de etapas realizadas manualmente

Com a integração do ERP com a loja, o fluxo dos processos se dá de maneira automática e sincronizada (como a sequência que explicamos). Em outras palavras, o sistema automatiza os processos e permite que várias etapas sejam executadas sem muita necessidade de intervenção humana.

Assim, ao receber um pedido, que é separado, por exemplo, a baixa no estoque ocorre de forma mecânica, sem que um colaborador tenha que entrar no sistema e fazer a subtração das quantidades de forma manual — o que aumentaria consideravelmente o risco de erros e, consequentemente, a necessidade de retrabalho.

4. As melhorias nas atividades administrativas e gerenciais

Um bom sistema ERP captura, organiza e permite tratar as informações geradas pelas diversas áreas de um negócio. Com a integração, fica mais fácil controlar a operação e tudo o que acontece de forma atualizada. Isso ajuda a identificar a necessidade de melhorias, de investimento em outras áreas, de correção de falhas, entre outras coisas.

Dessa maneira, se é observado que determinado item tem um giro baixo, por exemplo, sabe-se que o ideal é intensificar a divulgação e a promoção desse produto em questão (a fim de alavancar as vendas), além de sinalizar para a área de compras que as aquisições dessa mercadoria devem ser reduzidas (caso realmente não tenha muito apelo com o público).

Com base nessa base de dados, o gestor pode elaborar uma série de metodologias, reestruturar processos e identificar quais são os pontos que precisam de mais atenção — e elaborar ações que vão solucionar problemas ou otimizar os fluxos de trabalho, por exemplo.

O resultado disso é uma diminuição dos erros e dos riscos no negócio, ao mesmo tempo em que as oportunidades são melhor aproveitadas.

Além de tudo isso, ainda existe a possibilidade de utilizar o Business Intelligence (BI) para auxiliar a tornar o processo decisório mais inteligente. Isso é feito por meio dos dados coletados e processados pelo sistema ERP.

5. A possibilidade de criar e acompanhar indicadores de desempenho

Um processo decisório eficaz tem como base dados e informações concretas. Nesse sentido, o ERP permite gerar relatórios diversos, até mesmo cruzando alguns dados, de acordo com as informações necessárias para gerir o negócio.

A partir daí, pode-se elaborar indicadores de desempenho — os chamados KPIs —, que ajudam a ter uma visão a respeito dos processos. Com eles, o gestor consegue avaliar se o resultado alcançado foi aquém do esperado e, com base nisso, elaborar hipóteses a respeito das possíveis causas que prejudicaram a performance.

Nesse caso, fica mais fácil cuidar da estratégia, corrigir falhas, implementar melhorias e promover mais eficiência para a loja — o que se traduz em mais qualidade no atendimento ao cliente e um desempenho cada vez mais satisfatório.

6. O progresso na execução de obrigações tributárias

O ERP permite que a emissão das NF-es seja feita automaticamente, assim que o pedido de venda é liberado no sistema. Isso ajuda a agilizar o processo (reduzindo o tempo necessário para a liberação dos produtos e, consequentemente, o prazo para o cliente) e garantir que as obrigações tributárias serão cumpridas devidamente.

Além disso, também colabora para que as informações financeiras, contábeis e fiscais da empresa se mantenham atualizadas, ajudando a garantir que as atividades sejam realizadas em conformidade com a legislação.

7. O compartilhamento de informações

As informações passam a ser compartilhadas de forma automática, com base no andamento dos fluxos de trabalho. Assim sendo, como dito, sempre que um processo é executado, o sistema envia as informações para que outro se inicie (como é o caso da emissão dos documentos quando o pedido é processado).

No caso de multilojas, existe uma questão ainda mais especial: a centralização a respeito dos dados de estoque. Se existem 2 (ou mais unidades) geridas, o ERP permite que as informações sejam controladas em uma só ferramenta, além de poder designar quantidades específicas para cada loja, com base nas demandas.

A integração do ERP com a loja é uma questão primordial para gestores que precisam otimizar as operações e buscam resultados mais satisfatórios. Com o aumento da eficiência, do controle sobre as atividades, da produtividade e da redução do risco de erros, pode-se dizer que o investimento nessa solução traz uma excelente relação custo-benefício para o negócio.

O que achou? Ainda tem algumas dúvidas a respeito de como o sistema integrado pode ajudar a alavancar os resultados da sua empresa? Então, entre em contato conosco e fale com um de nossos especialistas agora mesmo!

Fique por dentro das tendências do varejo para 2019 5 meses ago

Existe uma série de tendências do varejo para 2019 que prometem aprimorar os processos e resultados de uma empresa. Conhecê-las e implementá-las é uma forma de manter o negócio moderno e acompanhar as mudanças do mercado.

Neste post, listamos algumas delas para que você saiba como elas podem ser aplicadas na prática e quais benefícios podem ser obtidos com essas tendências. Se interessou pelo assunto? Então, continue com a leitura e confira agora mesmo!

Varejo 4.0

O modelo de Varejo 4.0 tem como objetivo aprimorar a proposta de valor da empresa, ajudando a aumentar o diferencial competitivo. Para isso, deve-se investir em tecnologias que ajudam a agilizar e melhorar a coleta de dados do seu público.

Dessa forma, ao conhecer os hábitos e necessidades dos consumidores, fica mais fácil entender quais canais eles utilizam, o que mais compram, o que buscam, entre outras coisas.

A ideia é utilizar a tecnologia para aproximar o relacionamento e permitir uma interação maior com os produtos e serviços oferecidos. Com isso, o meio digital serve para auxiliar o processo de compra e aprimorar a experiência vivida com a empresa.

Assistentes digitais

As assistentes digitais são baseadas em inteligência artificial e aprendem cada vez mais com as interações com os usuários. Os exemplos mais comuns e próximos da rotina de uma pessoa são a Siri e a Cortana, assistentes virtuais da Apple e do Windows.

Elas vêm para mudar o cenário atual no mercado e otimizar a comunicação baseada em voz, criando mais um meio de interação com os consumidores. A ideia é complementar os canais utilizados atualmente para comunicação e comercialização. Dessa forma, o público poderá, por exemplo, esclarecer dúvidas e até mesmo efetuar compras.

Integração de todos os canais de atendimento (omnichannel)

Com clientes cada vez mais exigentes e a demanda por experiências diferenciadas, investir em uma estratégia omnichannel é fundamental. Por meio dela, todos os canais de atendimento e aquisição devem ser integrados, permitindo que a empresa reconheça o cliente e todas as interações que ele realizou, nos mais variados meios.

Porém, não basta oferecer essa integração. É preciso que a experiência vivida ao transitar entre esses canais não seja prejudicada. Com isso, o consumidor pode tirar dúvidas pelas redes sociais, efetuar a compra na loja virtual e escolher a retirada na loja física, por exemplo, sem sentir a diferença na qualidade do atendimento entre eles.

Loja virtual

Essa é uma das maiores tendências do varejo para 2019. Com cada vez mais pessoas conectadas à internet, já é possível imaginar o tamanho do público que você pode conquistar no ambiente online — e o melhor: sem a barreira geográfica que a loja física impõe.

Apostar no e-commerce pode ser sinônimo de ampliar a receita e com os custos consideravelmente menores, caso seja criada uma estratégia mais acertada para o negócio. Indo além, o ideal é que os ambientes digital e físico sejam integrados, principalmente no que diz respeito à gestão do estoque — lembra também que falamos sobre a possibilidade de comprar na loja virtual e retirar na física?

Chatbots

Não é segredo que as redes sociais têm um papel fundamental para a sua empresa, certo? A presença online deixa o seu negócio mais perto do público e ainda pode ser mais um meio de monitorar a opinião desse público e fornecer mais um canal de atendimento.

Nesse sentido, contar com o uso de chatbots como recurso para as mensagens auxilia a melhorar as interações. Por meio deles, você pode fazer atendimentos iniciais e responder dúvidas mais simples, além de comunicar os clientes sobre novidades.

As tendências do varejo para 2019 têm a promessa de transformar a forma como empresas se relacionam com seus clientes. Entretanto, antes de adotá-las, é preciso fazer um planejamento e conhecê-las mais a fundo, analisando se elas realmente são ideais para a sua empresa naquele momento. Assim, evita-se o risco de investir em algo que não vai trazer o retorno esperado.

Gostou de saber dessas novidades e quer continuar acompanhando os conteúdos que postamos aqui no blog? Então, não deixe de assinar a nossa newsletter e saber tudo sobre a gestão de uma empresa!

4 dicas matadoras para aumentar o ticket médio 6 meses ago

De acordo com o autor e palestrante Josh Kaufman, para uma empresa alcançar o sucesso, é necessário fazer uma inteligente combinação entre dinheiro, status, poder, conhecimento, proteção, prazer e até excitação. Além disso, também é necessário comunicar todo esse processo com seu público-alvo de forma clara.

“At the core, all successful businesses sell some combination of money, status, power, love, knowledge, protection, pleasure and excitement. The more clearly you articulate how your product satisfies one or more of these drives, the more attractive your offer will become” — , Josh Kaufman, The personal MBA.

A partir dessa análise, é possível entender um pouquinho da importância de se realizar uma boa estratégia de pricing. Afinal, o preço cobrado pelo produto ou serviço oferecido pela empresa está diretamente relacionado à percepção de valor da sua persona. No entanto, uma boa estratégia de pricing vai além das táticas de marketing.

Um preço bem elaborado e validado para com o mercado é o motor que fará a empresa aumentar a velocidade em que corre. Mas, de nada adianta cobrar mais se não entregar um valor agregado que convença o público de que o preço é justo. Pensando no assunto, reunimos algumas dicas interessantes para ajudar sua empresa a aumentar o ticket médio. Confira!

1. Ofereça produtos complementares

Robinson Shiba, empresário de sucesso e criador de uma das maiores redes de comida asiática do Brasil, sempre dá dicas para empresários durante a série Shark Tank Brasil sobre mix de produtos. Para o desenvolvedor da China in Box, uma empresa que trabalha com um único produto tem grandes dificuldades para se destacar no mercado.

Por isso, a dica é trabalhar com um mix de produtos mais variado. Essa atitude aumenta a probabilidade de conquistar um ticket médio superior e também oferece oportunidades de o empresário perceber mudanças de comportamento do consumidor.

2. Crie combos ou kits de vendas

Uma segunda dica interessante é oferecer kit de produtos que se complementam. Essa prática é encantadora, pensando que o consumidor pode estar esquecendo de uma determinada necessidade. Um exemplo dessa atitude é o combo de brinquedos com pilhas que os fazem funcionar.

Essa prática é tão eficaz que já existem livros, como Contágio — Por que as coisas pegam, de Jonah Berger, que desenvolvem bons capítulos sobre a importância desses gatilhos mentais.

3. Trabalhe com descontos

Sem dúvidas, uma das principais estratégias de vendas de curto prazo no varejo é trabalhar com descontos. Por isso, essa prática não é um diferencial, é uma atitude obrigatória das empresas que estão presentes nesse mercado tão competitivo.

Por isso, pensando em aumentar o seu ticket médio, pense em quais modelos de descontos a sua segmentação de mercado mais se interessa. Alguns exemplos são:

  • desconto progressivo por quantidade de produtos comprados, por exemplo: 10% em 2 produtos, 20% em 3, 40% em 5;
  • produtos grátis, como: compre 2, leve 3;
  • desconto a partir de uma quantidade de produtos comprados, por exemplo: 25% de desconto a partir de 5 peças;
  • desconto em valor bruto, como: ganhe R$ 130 a cada R$ 500 em compras.

4. Invista em treinamento da equipe

Todas as práticas citadas são importantes. Mas, para funcionarem é indispensável um time bem treinado que tenha como foco o bem-estar do cliente. Afinal, todos os dias milhares de empresas perdem boas quantias de dinheiro devido a um atendimento insatisfatório. Por isso, não foque apenas nas técnicas mas também no treinamento do seu time.

Sem dúvidas, para uma empresa ganhar fôlego financeiro e se manter competitiva é necessário ter um bom ticket médio. Para isso, a aplicação de algumas práticas pode ajudar de forma muito significativa. Para potencializar os resultados, a aplicação de tecnologia nos processos é uma ótima alternativa.

Se você gostou das dicas e quer continuar aprendendo sobre o assunto, assine a newsletter e receba as nossas atualizações em seu e-mail!

Qual a importância do sistema ERP para as vendas na Black Friday? 7 meses ago

Vender produtos ou serviços no cenário atual está sendo cada dia mais desafiador para as empresas. Uma data em que comércios de todos os portes estão investindo cada vez mais no Brasil, e que você não pode mais perder, é a Black Friday.

Contudo, para que sua loja tenha sucesso em períodos sazonais como esse, o diferencial para a sua organização, quanto ao planejamento, gerenciamento, controle gerencial e operacional das campanhas de vendas, pode ser a implementação de um sistema ERP.

Uma plataforma ERP poderá fazer tudo isso facilmente — dada a sua capacidade de integrar diversas ferramentas, como Business Intelligence, Big Data e Inteligência de Dados —, fazendo a diferença nas vendas na Black Friday e reforçando a sua marca.

Neste post, vamos detalhar os maiores — e melhores — motivos para que essa solução seja adotada. Vamos lá?

Eficiência no controle de estoque

Sem dúvida, não há nada mais frustrante para um usuário on-line do que descobrir que um dos produtos que queria comprar se esgotou em questão de minutos. Portanto, é essencial que as lojas on-line tenham controle em tempo real dos itens disponíveis e daqueles que estão prestes a acabar.

Portanto, todas essas informações devem ser gerenciadas de uma só vez, indicando quais produtos estão à venda e quantas unidades estão em estoque, garantindo, assim, um ótimo atendimento ao cliente.

Logística integrada e eficiente

Se o seu controle de estoque está gerenciado adequadamente, automaticamente a precisão dos processos de logística e expedição é aumentada. Essa forma de gerenciamento reduz os custos de lidar com mercadorias devolvidas e estoque perdido, além do atendimento ao cliente.

Um sistema ERP também pode fornecer ferramentas inteligentes para prever com precisão os padrões de compra de seus clientes, o que reduz os custos de manutenção de estoque e diminui o estoque morto.

Facilidade em atualizar preços e descontos

O cliente está cada dia mais inteligente. Não seja desonesto! Subir os preços uma semana antes e realizar descontos em cima desses valores, além de ser uma péssima prática, acaba com a força da sua marca — e os seus clientes descobrem isso facilmente.

Por esse motivo, é importante que todos os departamentos envolvidos nas vendas para a Black Friday estabeleçam em conjunto a política de preços que será executada.

É muito útil ter um histórico dos descontos feitos pelo varejista, bem como as promoções associadas a um determinado produto. Com o auxílio de um sistema ERP, todas as informações podem ser centralizadas, e os responsáveis pela campanha poderão saber quais descontos ou promoções estão funcionando melhor — on time.

Capacidade para gerenciar um grande volume de vendas

Certamente, com um nível mais baixo de vendas, muitos dos problemas de sistema não existiriam. A atividade frenética de vendas na Black Friday pode levar a alguns erros, como a sobrecarga de dados, provocando lentidão dos sistemas.

No entanto, ao ter um sistema ERP em nuvem, os gargalos dificilmente acontecem, pois existem a previsibilidade e a escalabilidade já contempladas no início, o que o torna capaz de gerenciar um grande volume de dados.

Base atualizada para futuras campanhas

Os dados coletados durante o período da Black Friday podem ter um valor enorme, formando uma sólida base de informações. É uma ótima oportunidade para estudar tendências, preferências e reações do público.

Será possível descobrir muito sobre os consumidores, o que eles querem e o que rejeitam. Devemos fazer o possível para extrair lições práticas para utilizar durante o ano todo — um bom sistema ERP consegue fazer isso!

Relatórios de marketing para gerenciar as vendas na Black Friday

Um dos maiores benefícios dos sistemas ERP é que eles oferecem aos tomadores de decisão uma visão de cima para baixo de todo o negócio. Eles têm visibilidade completa sobre o que está acontecendo e podem gerar facilmente estatísticas e gráficos, todos provenientes de dados precisos e em tempo real.

Executivos e gerentes podem criar painéis que destaquem informações importantes para ver online como estão as vendas e até mesmo rever — e alterar a tempo — o rumo das campanhas criadas, repassando ao time de vendas as novas estratégias.

Melhores insights para o gerenciamento de campanhas

Com essa visibilidade garantida pelo ERP e com o auxílio de ferramentas de análise de dados, como BI — Business Inteligence —, torna-se possível a obtenção de insights avançados.

Como todos os dados estão em um lugar só, os relatórios serão extraídos de uma forma mais rápida, e o erro humano é mitigado, afinal, não será necessário agrupar as informações de diferentes sistemas para conseguir extrair um relatório gerencial.

Pensando em estratégias de vendas e de acordo com as informações extraídas você consegue verificar o comportamento das campanhas geradas, como:

  • Os descontos para determinado tipo de cliente estão convertendo em vendas?
  • A montagem de kits promocionais está funcionando como esperado?
  • Vale a pena oferecer frete grátis? Para quais clientes?

Omnichannel e vendas via marketplace

O sistema ERP certo pode realizar as vendas por meio de sua loja física e de sua loja virtual, vender em todos os marketplaces — grandes sites varejistas online — e ainda com a opção omnichannel, o que significa ofertar e vender por meio de múltiplos canais ou seu consumidor selecionar um produto no smartphone estando dentro da sua loja, pagar e já retirar na própria loja e vice-versa.

Pense em todas essas alternativas e interações, integradas com a gestão de estoque, contábil, de marketing e vendas. A experiência do cliente nunca foi tão divertida e confiável. E as possibilidades de rentabilidade são aumentadas de maneira expressiva.

E aí, ficou clara a importância da adoção de um sistema ERP, as suas maiores facilidades e vantagens, além dos lucros que acontecerão no período das vendas na Black Friday? Esperamos que tenha gostado das informações e que este post tenha servido de inspiração para você tomar uma decisão que poderá tornar a sua empresa ainda mais competitiva no mercado em que atua.

Não perca mais tempo! Entre em contato conosco e teremos prazer em te ajudar nesse novo desafio.

Franquia WM10 na Feira do Empreendedor 2017 2 anos ago

A Feira do Empreendedor 2017, organizada pelo Sebrae-SP, trás grandes expectativas para a realização de novos negócios. A Feira do Empreendedor 2017 acontece entre os dias 18 a 21 de fevereiro no Pavilhão de Exposições Anhembi em São Paulo-SP.

Neste ano conta com 40 mil metros quadrados de espaço para os 440 expositores, é a sexta edição da Feira que o SEBRAE-SP organiza. Espera-se que aproximadamente 150 mil pessoas compareçam no evento que reúne expositores e consultores de todo o país.

Muitas oportunidades de negócios estarão disponíveis aos visitantes, inclusive a Franquia WM10 de Sistema para Lojas, segundo Marcel Cardoso, presidente da franquia WM10, a feira traz bons frutos para os negócios:

“Procuramos estar presente nestes eventos e a feira do empreendedor é uma oportunidade para apresentar o nosso modelo de franquia “.

O Sistema para lojas WM10 é um ERP em nuvem que vem conquistando clientes por todo o país, possui integração com plataforma de loja virtual, logística dos correios e permite interface para escritórios de contabilidade terem acesso aos arquivos fiscais de seus clientes. É também emissor de NF-e, NFC-e, SAT CF-e, NFS-e e PAF/ECF.

O modelo de franquia permite ao empreendedor ganho em escala e contínuo pelo período em que o cliente permanecer com o ERP. Com equipe de desenvolvimento própria o WM10 recebe as atualizações constantes para atender a legislação fiscal de todos os estados brasileiros e DF.

Participe do evento e faça uma visita em nosso stand, estamos na Avenida 3, nº FR108

Mais informações sobre a feria no site: feiradoempreendedor.sebraesp.com.br

SEJA UM FRANQUEADO

FIM DO EMISSOR DE NF-e SEFAZ 3 anos ago

O emissor gratuito será descontinuado

Em janeiro de 2017, a Sefaz não vai mais atualizar o emissor gratuito de NF-e. Criado em 2006, o aplicativo era oferecido pelas secretarias de todos os estados mais o Distrito Federal e usado por empresas que precisavam emitir NF-e. Com a descontinuação do aplicativo, a recomendação é: conheça solução do WM10 para emissão de notas fiscais o quanto antes.

As vantagens são muitas, não espere mais

Apesar de ser de graça, o emissor de NF-e da Sefaz possuía diversas limitações. Difícil de usar, não tinha suporte técnico — você precisava se virar sozinho. Sobrava trabalho manual repetitivo, e dependia de você manter arquivadas as notas emitidas. Com o Sistema WM10, você tem todo o trabalho facilitado, confira as vantagens:

1- Cadastro de regras fiscais – Elaborado com a orientação do seu contador, o que da mais segurança as informações, adicionando os parâmetros apenas uma vez a emissão de NF-e, NFC-e ou NFS-e fica fácil.

2- Backup dos arquivos XML – A multa por não apresentar um único arquivo XML é muito cara, pergunte ao seu contador. No Sistema WM10 o backup é feito nos servidores do data center e seu contador pode ter acesso seguro através do Portal do Contador para realizar os lançamentos mensais.

3- Envio do arquivo XML e NF-e por e-mail – Cadastre o e-mail do seu cliente e ao emitir a NF-e envie os arquivos por e-mail imediatamente, sem precisar recorrer a outros aplicativos.

Estas são apenas algumas das vantagens que você terá acesso ao contratar o Sistema WM10.

Aproveite este momento para iniciar a implantação e estar com tudo ok em Janeiro/2017.

Conheça do Sistema WM10.

') }(jQuery));