fbpx
NFC-e

NFC-e passa a ser obrigatória em Minas Gerais 4 meses ago

Atenção varejistas de Minas Gerais! Foi publicada em 6 de fevereiro deste ano, pela Secretaria de Estado de Fazenda/MG, a Resolução Nº 5.234, que propõe a obrigatoriedade da emissão da Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica (NFC-e) Minas Gerais.

A Resolução, que já está em vigor,  estabelece o cronograma para a adesão à nova regra. Veja abaixo:

  • 1º de março de 2019: para todos os contribuintes que se inscreverem no Cadastro de Contribuintes deste Estado a contar da referida data;
  • 1º de abril de 2019: para os contribuintes enquadrados  no código 4731-8/00 pela CNAE (comércio varejista de combustíveis para veículos automotores), ou contribuintes cuja receita bruta anual seja superior a R$100.000.000,00, em 2018 ;
  • 1º de julho de 2019: para os contribuintes cuja receita bruta anual seja superior a R$15.000.000,00 até o limite máximo de R$100.000.000,00, em 2018;
  • 1º outubro de 2019: para os contribuintes cuja receita bruta anual seja superior a R$4.500.000,00 até o limite máximo de R$15.000.000,00, em 2018;
  • 1º de fevereiro de 2020: para os contribuintes cuja receita bruta anual seja inferior ou igual a R$4.500.000,00, em 2018, e demais contribuintes.

Vale ressaltar que a referência de receita bruta anual é esclarecida na resolução  como “o produto da venda de bens e serviços nas operações por conta própria, o preço dos serviços prestados, mesmo que não sujeitos ao ICMS, e o resultado auferido nas operações por conta alheia, não incluído o Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI -, as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos.” (Art. 2º,  § 4º, RESOLUÇÃO Nº 5.234 de 05 de fevereiro de 2019)

A partir da data de obrigatoriedade ou do credenciamento voluntário, os contribuintes poderão utilizar ainda seus emissores de cupom fiscal – ECF já autorizados pelo prazo máximo de nove meses, ou até que a memória do equipamento acabe (o que vier primeiro).

Serão considerados falsos para todos os efeitos fiscais, os documentos fiscais emitidos após o cancelamento da ECF, que pode ocorrer em até 60 dias depois do prazo citado no parágrafo anterior. Já a Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2, poderá ser utilizada até o dia 28 de fevereiro de 2020, apenas para as operações realizadas fora do estabelecimento. A resolução deixa de fora, ainda, os Microempreendedores Individuais (MEI).

Para aderir à NFC-e Minas Gerais, basta fazer o credenciamento junto à SEF disponível no Portal SPED MG. Uma vez realizado o credenciamento, o varejista não poderá mais obter autorização de ECF ou de Nota Fiscal de Venda a Consumidor.

Com as mudanças na lei, é importante que os varejistas mineiros não deixem para última hora a adequação de ERP’s para a emissão de NFC-e.

O WM10 é um ERP 100% em nuvem com emissor de NFC-e, além de outras funcionalidades que deixam a operação da sua loja padronizada. Entre em contato conosco e descubra os benefícios desse software que garante resultados reais ao seu negócio.  

Otimize o controle tributário da sua empresa com um sistema ERP 4 meses ago

A legislação brasileira é extremamente complexa quando se trata do cumprimento de obrigações tributárias por parte das empresas. O controle tributário dos gestores precisa gerir o pagamento do Imposto de Renda, Programa de Integração Social, Contribuição Social sobre Lucro Líquido além da Escrituração Contábil Fiscal.

O volume de informações e obrigações faz com que os empresários precisem de apoio técnico especializado, além de ensejar o uso de ferramentas que tragam mais segurança para a rotina, evitando problemas com o Fisco.

Nesse sentido, o controle tributário não precisa ser um processo manual. Ao contrário, sistemas ERP se mostram uma excelente alternativa para a organização e planejamento do cumprimento das obrigações.

Elaboramos este artigo com o objetivo de mostrar ao gestor como é possível otimizar o controle tributário por meio da tecnologia. Acompanhe e descubra!

A importância do controle tributário nas empresas

Como mencionamos no início deste artigo, o controle tributário é uma etapa importante do processo de gestão, já que ele diz respeito à legalidade e conformidade das empresas no que diz respeito à legislação tributária.

O cumprimento das leis não se limita ao pagamento correto dos impostos. Ele abrange também a entrega de todas as obrigações acessórias exigidas pelo Fisco de acordo com os critérios de enquadramento tributário e as particularidades de cada organização.

As maneiras como o ERP otimiza o controle tributário

O ERP é um sistema integrado de gestão empresarial, que tem o propósito de organizar e aperfeiçoar as atividades rotineiras das empresas. Entre as suas funcionalidades está a capacidade de otimização do controle tributário, uma vez que tem funções específicas atreladas a essa atividade.

A manutenção de cadastros é um exemplo de função do ERP que traz benefícios para o processo de controle tributário. Além disso, a área do contador é específica para a qual são direcionados todos os arquivos que devem ser enviados ao profissional, sem o risco de extravios ou transmissão de informações incompletas.

A emissão de nota fiscal durante o processo de faturamento também traz praticidade, precisão e rapidez, uma vez que os parâmetros técnicos feitos dentro do ERP garantem mais segurança para o empresário.

Além disso, o ERP realiza o backup constante dos arquivos XML de entrada e saída, reduzindo o risco de perda de informações. No sistema WM10 o armazenamento também é feito nos servidores Equinix, o que traz uma segurança extra para as empresas.

O controle tributário está relacionado à personalização das regras fiscais de acordo com a movimentação das mercadorias (troca, venda, devolução etc).

Com um sistema ERP todas as entradas e saídas são controladas com eficiência e precisão, garantindo a integração dos lançamentos contábeis e fiscais, etapa necessária para a apuração dos tributos a serem recolhidos.

Os benefícios do sistema ERP

Além da facilitação do controle tributário, a adoção do sistema ERP traz inúmeras vantagens para a empresa, como:

  • automatização de processos e controles manuais;
  • controle eficiente sobre as operações da empresa;
  • redução de custos e riscos;
  • otimização do fluxo de informações;
  • segurança das informações;
  • redução de fraudes e riscos;
  • eliminação completa do retrabalho; e
  • redução drástica do uso de papel.

Além disso, ele agrega em produtividade e resultados, adequando a empresa à legislação tributária e fiscal. Dessa maneira, o uso de sistema ERP se tornou uma necessidade para quem busca otimização e eficiência junto a um mercado, cada dia mais exigente e competitivo.

Se você gostou deste artigo sobre controle tributário em sistemas ERP, deixe um comentário e compartilhe a sua opinião ou dúvidas a respeito do tema.

O que mudou com a NF-e 4.0 e como um sistema ERP agiliza os processos? 4 meses ago

Desde o dia 02 de julho de 2018 todas as empresas estão obrigadas a adotar a NF-e 4.0. O novo formato do documento fiscal já estava disponível desde 2017, mas a obrigatoriedade de uso passou a vigorar apenas no ano passado.

O tempo entre a sua disponibilidade e a obrigatoriedade de uso foi estabelecido pelos órgãos de regulamentação, a fim de que as empresas e os desenvolvedores de softwares tivessem tempo hábil para realizar as adequações, adaptando os softwares ao novo modelo.

Neste artigo, você vai entender quais são as mudanças trazidas pela NF-e 4.0 e de que forma um sistema ERP pode auxiliar, agilizando os processos dentro do varejo.

Ficou curioso? Continue a leitura e descubra!

Quais foram as mudanças trazidas pela NF-e 4.0?

A NF-e 4.0 trouxe uma série de mudanças técnicas relacionadas ao layout e preenchimento das informações. Veja alguns dos pontos que merecem destaque!

Conteúdo — Fundo de Combate à pobreza (FCP)

Recebe recursos do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Um novo layout, com opções de preenchimento relacionadas ao FCP, trazendo opções válidas tanto para operações internas quanto para operações interestaduais, com ou sem a regra da substituição tributária. Na NF-e 4.0, o valor devido deve ser identificado em um campo específico.

Conteúdo — FCP

Novos campos para preenchimento das informações de base de cálculo e ocorrência de retenção aplicada ao Fundo de Combate à Pobreza.

Campo — indicação de forma de pagamento

Com a mudança, é preciso informar o meio de pagamento utilizado, ou seja, se o pagamento ocorreu em dinheiro, cartão de débito ou crédito, cheque ou outra opção.

Campo — indicador de presença

Novo campo que possibilita preencher o local em que foi realizada a operação: presencial ou fora do estabelecimento comercial.

Campo — novas modalidades de frete

Transporte próprio por conta do remetente ou por conta do destinatário.

Layout — “Grupo de Rastreabilidade do Produto”

Informação do código do produto para rastreamento de itens sujeitos à regulação sanitária. Esse item só precisa ser preenchido em alguns casos específicos. No caso de empresas que vendem medicamentos, por exemplo, é preciso informar na nota fiscal eletrônica o código da ANVISA no campo específico do documento.

As mudanças trazidas pela evolução da NF-e são puramente técnicas, desta maneira, se a organização já conta com um sistema ERP de qualidade, as alterações não causaram um impacto muito grande na rotina.

O que é um sistema ERP e como ele se relaciona com a NF-e 4.0?

O sistema ERP é um software que integra todos os dados e processos de uma empresa em um único sistema. Esse tipo de solução traz eficiência e qualifica os processos dentro do negócio.

As empresas têm a possibilidade de implantar um sistema ERP vinculado à emissão de notas fiscais eletrônicas, integrando sistemas em um só local, permitindo o acesso dos colaboradores e facilitando a execução de tarefas e o cruzamento de dados.

Utilizar um sistema ERP com emissor de nota fiscal eletrônica garante mais mobilidade para a empresa, já que é possível acessar o software por qualquer dispositivo que tenha conexão com a internet.

Além disso, ele melhora os indicadores de produtividade, uma vez que os colaboradores conseguem acessar as informações da empresa, emitir documentos fiscais e compartilhar relatórios em tempo real, mesmo que não estejam fisicamente na empresa.

Por que a empresa deve investir neste tipo de solução?

Você deve estar se perguntando: afinal, por que a minha empresa precisa combinar um ERP com a emissão das notas fiscais eletrônicas? Essa pergunta tem mais de uma resposta e todas elas estão relacionadas aos benefícios que o sistema ERP traz quando combinado com a função para emissão do documento fiscal.

O sistema ERP com emissão de NF-e reduz erros na emissão do documento fiscal e garante a melhora no processamento das informações. Assim, como os sistemas são combinados e o ERP já traz dados sobre clientes e mercadorias, fica muito mais fácil realizar o preenchimento da nota fiscal com as informações corretas.

Além disso, ele otimiza a produtividade e mobilidade, uma característica comum ao sistema ERP que segue presente quando disponível a opção de emissão de NF-e. O sistema ERP também permite a emissão de notas fiscais eletrônicas em lote, além de melhorar o controle financeiro, trazendo eficiência e permitindo a emissão de relatórios com agilidade e segurança.

Também facilita a gestão fiscal, uma vez que os melhores fornecedores de sistemas ERP do mercado com emissão de nota fiscal oferecem soluções alinhadas à legislação fiscal, com ferramentas atualizadas que garantem o atendimento de todas as obrigações fiscais. Melhora os indicadores de produtividade, inclusive para empresas que têm funcionários que trabalham externamente.

O sistema ERP online com emissor de NF-e possibilita que os colaboradores acessem as informações, emitam notas fiscais e relatórios e compartilhem todos os dados em tempo real.

Além de todas essas vantagens, o sistema ERP com emissor de nota fiscal eletrônica permite que o gestor utilize algumas métricas importantes para a gestão do negócio, como a velocidade de realização das rotinas, o número de contatos diários, os custos de manutenção, os lucros por cliente, entre outros.

Além da qualidade, a Web Managers é uma empresa reconhecida no mercado que atua por meio de sistemas confiáveis e consolidados. O WM10 é um sistema completo, com emissão de nota fiscal eletrônica em lote, impressa em bobina de impressão não fiscal, o que garante agilidade e reduz o custo, inclusive em manutenção. Além disso, o software armazena os arquivos em XML que são disponibilizados diretamente na área do contador.

Como você pôde ver, a combinação de um ERP com emissão de NF-e é um diferencial que pode beneficiar a rotina da sua empresa, trazendo mais eficiência, segurança jurídica e tributária e melhorando o desempenho da gestão como um todo. Investir nesse tipo de solução é uma vantagem competitiva que vai permitir ao gestor qualificar a sua rotina, trazendo agilidade e qualidade para os seus processos.

Você quer emitir NF-e 4.0 com segurança? Entre em contato com a Web Managers e descubra como podemos ajudar você!

Problemas para gerenciar suas promoções? Resolva em 6 passos! 5 meses ago

Criar uma promoção é uma estratégia que pode ajudar a alavancar as vendas da sua loja, pois qual consumidor não gosta de um desconto na sua compra?

Mas cuidado! Se empregada sem um planejamento, uma promoção pode virar uma grande dor de cabeça ao lojista.

Por isso, preparamos um passo a passo para que você crie promoções incríveis, estabeleça tabelas de preços, incentive a compra de mais itens e aumente o seu faturamento. Confira!

Passo 1 – Estabeleça um objetivo

A primeira etapa do planejamento a ser cumprida é ter claro qual é o objetivo da promoção: se o objetivo é liquidar o estoque acerca de determinado produto, como o caso de roupas de inverno que não foram vendidas durante a estação, ou então aproveitar épocas sazonais do comércio como Dia das Mães, Black Friday e Natal.

O importante é definir qual produto ou marca específica entrará na promoção e estabelecer uma meta de venda (valor) que deverá entrar no caixa. Você pode, também, aproveitar essa promoção para um objetivo secundário como, por exemplo, atualizar o banco de dados, realizar uma pesquisa com os clientes ou verificar qual produto tem maior ou menor giro.

Passo 2 – Desenhe uma estratégia

Esta é a etapa em se definem os caminhos pelos quais o objetivo será alcançado. E o primeiro deles é o formato: a promoção será um desconto? Um sorteio? Frete grátis? Ou do tipo “pague 2 e leve 3”?

Esse é a hora, também, de avaliar os custos desse investimento, ou seja, o benefício concreto para que a sua loja não fique no vermelho e o cliente saia satisfeito.

Portanto, faça uma projeção de tudo que envolve uma promoção (o valor do desconto, da divulgação, dos gastos com pessoal etc) para que você possa pensar na margem de lucro e nas oportunidades geradas com essa ação.

Se, porventura, o saldo da balança for negativo, não realize a promoção e aguarde o momento certo para fazê-la.

Passo 3 – Crie uma promoção irresistível

Para que o consumidor se interesse pela sua promoção é preciso que ela faça sentido e que tenha relevância, ou ele não vai comprar, certo?

Mas, um ponto relevante deve ser levado em consideração para chamar a atenção do seu cliente: agregar valor ao produto. Não basta apenas baixar o preço, e sim fazer com que o consumidor entenda a importância em adquirir o produto.

Por exemplo, um celular que está com 30% de desconto. O lojista tem a opção de apenas anunciar o desconto e esperar que as vendas aconteçam, ou utilizar das funções do produto, como uma câmara que pode capturar imagens em alta resolução, perfeita para o registro de momentos importantes. O que você acha que vai ter mais resultado?
Uma dica valiosa e que sempre dá certo é pensar como um cliente: será que você se interessaria pelo produto e o compraria?

Por fim, a promoção deve ter uma validade (pois sem um prazo, ela deixa de ser uma promoção) e uma área de atuação, seja apenas na loja física ou virtual, ou em ambos os canais.  

Passo 4 – Alinhe a estratégia com toda a equipe

Não basta criar uma promoção incrível se a sua equipe não compartilha de todas as informações. Funcionários despreparados levam qualquer estratégia, por melhor que seja, por água abaixo.

Sendo assim, invista em treinamento da sua equipe! É muito importante que seus funcionários saibam das regras da promoção, como abordar um cliente e como explicar todos os benefícios que ele terá ao adquirir aquele produto. Somente assim o cliente ganhará confiança para realizar a compra.

Nossa dica é: não meça esforços para tornar a experiência do consumidor a melhor possível, porque cliente satisfeito sempre volta para comprar mais.

Passo 5 – Divulgue a promoção

Como fazer com que a sua promoção gere os resultados esperados? A resposta é: divulgação.

De nada adianta ter o melhor produto e oferecer as melhores condições de compra, se o consumidor as desconhece. Simplesmente as suas vendas não sairão do papel e você, com certeza, terá desperdiçado uma boa ideia.

Nesse sentido, manter uma presença online é muito importante, principalmente nos dias de hoje, em que as pessoas estão cada vez mais conectadas à internet. O marketing digital vai possibilitar a ampliação da sua audiência, a construção de um relacionamento com seu público, além de conquistar autoridade para a sua marca.

Por outro lado, se você possui uma loja física vale a pena investir, também, em estratégias offline, como por exemplo, a panfletagem. Seja qual for a sua opção, a regra aqui é que as pessoas saibam da sua promoção.

Passo 6 – Analise o seu ROI

Por último, é preciso saber se os resultados foram alcançados após finalizada a promoção. Em outras palavras, é hora de medir o retorno sobre o investimento (ROI).

Esta etapa serve para avaliar todo o retorno que a promoção teve, assim você pode replicar a estratégia em outros produtos e ocasiões ou corrigir as falhas para as próximas promoções.

Para se chegar ao resultado, basta pegar o faturamento e subtrair com os custos da promoção.

Neste passo a passo você aprendeu a gerenciar uma promoção, desde como definir um objetivo e elaborar uma estratégia para criar uma promoção a alinhar a sua equipe e divulgar sua promoção para alcançar o retorno almejado.  

Outras dicas são:

  • aproveitar as datas comemorativas para a realização das suas promoções, pois são épocas em que as pessoas estão mais propícias a gastar;
  • fazer parcerias com seus fornecedores;
  • pesquisar com seus clientes-chave a aderência de sua estratégia.

Agora que você viu a importância de um planejamento antes de realizar uma promoção em sua loja, mãos à obra e boas vendas!

Com o WM10 você gerencia um grande volume de promoções, com data/hora inicial e final, com a possibilidade de integrá-las ao seu e-commerce. Entre em contato conosco e descubra as vantagens do nosso sistema!

Você sabe como analisar as métricas de vendas na prática? Entenda aqui! 5 meses ago

Toda empresa utiliza a elaboração de metas para nortear seu sucesso, mas como saber se estamos no caminho certo se apenas traçamos o destino? Qual será o melhor caminho a tomar? As métricas de vendas são indicadores que nos ajudam a acompanhar a rota tomada ao longo do percurso, mitigando o incerto e o imprevisível.

As métricas resumem os relatórios e os registros de bancos de dados em informações estratégicas essenciais na tomada de decisões futuras.

Mas qual é a melhor métrica? Não existe uma métrica melhor. A escolha adequada vai depender do objetivo e do tipo de negócio abordado. O importante é a informação estar no formato correto e no tempo certo. Para isso ocorrer, o uso de tecnologia nas ferramentas de gestão é essencial.

Confira abaixo algumas métricas que podem ser úteis para um acompanhamento mais abrangente do seu negócio!

Ticket médio

Identifica a quantidade média que cada cliente compra com você. Seu cálculo é fácil, basta dividir o total de vendas pelo número total de clientes. Um ticket médio baixo pode explicar, por exemplo, por que o número de clientes aumenta mais do que a sua lucratividade.

Mas como saber se o ticket está abaixo ou acima do esperado? Você pode fazer a média dos últimos meses e analisar com pesquisas de mercado do seu setor. Estabeleça uma meta de evolução!

E como aumentar o ticket médio? Sempre que o cliente fizer uma compra, ofereça um artigo relacionado ao produto ou serviço escolhido.

Número de leads gerados

É a quantidade de clientes em potencial com que o marketing conseguiu obter informação de contato. Existem inúmeras formas de conseguir esses contatos utilizando o marketing de conteúdo. Por exemplo, disponibilizar infográficos e e-books em um blog, utilizar formulários virtuais, colher dados obtidos em inscrições de palestras ou workshops, entre outros.

Porém, não basta ter um número gigantesco de leads, é necessário que as informações sejam precisas e convenientes. Quanto mais rica e mais qualificada a lead, maior será a chance de efetuar uma nova venda.

Tempo de resposta ao lead

Não adianta ter uma quantidade enorme de leads se a abordagem é demorada. Estudos confirmam que contatos mais rápidos são mais propensos ao sucesso. Um bom tempo médio para a resposta é de 1 hora.

Este indicador possibilitará o acompanhamento dessa importante ferramenta de atração. Não deixe de verificar a cordialidade e a atenção que está sendo dada ao potencial cliente.

CAC (Custo de Aquisição de Clientes)

Avalia o custo realizado pela empresa para absorver um novo cliente. Os custos contam desde a captação do lead até a sua transformação em cliente — custos com marketing, ligações, viagens, reuniões, entre outros.

O cálculo a ser feito é a divisão do total gasto pelo número de clientes absorvidos. Vale lembrar que diminuindo essa métrica o ticket médio pode aumentar.

Oportunidade de vendas abertas

Expõe quantas oportunidades estão sendo trabalhadas no momento. Por meio desse índice, é possível visualizar oportunidades no total e por vendedor — no caso de uma loja física — ou quantas pessoas colocaram suas compras na cesta, se for uma loja virtual.

Com essa métrica conseguimos perceber o poder de atração do negócio e até mesmo avaliar a técnica de um vendedor.

Oportunidade de vendas encerradas

Contam-se como vendas encerradas tanto as concebidas como as perdidas. Por este indicador avaliamos a eficácia de cada vendedor, pois temos a informação da quantidade de negócios realmente concretizados em relação às tentativas de negócios.

Olhando por um lado global, ele evidencia o total de vendas realizadas até o momento, o que possibilita controlar a geração de recursos para empresa passo a passo.

Ciclo de venda

É o tempo total despendido entre o primeiro contato com o cliente (lead) até a venda. Ele mede o grau de captação de oportunidades e a influência do vendedor nessa captação. É preciso entender que produtos com valores mais altos têm um ciclo maior do que os itens com preço mais acessível.

A qualificação do lead ou a melhora no procedimento de abordagem do vendedor podem ser fatores a serem trabalhados para que esta métrica evolua.

Volume médio de negócios

Dependente de um histórico, este indicador mostra o volume médio de vendas que a empresa faz em um mês. Com esse indicador é possível acompanhar se a quantidade de vendas do mês está dentro do planejado, mas é prudente tomar cuidado com as distorções de sazonalidade.

Percentual de metas atingidas

Métrica que confrontará o tempo faltante para o alcance do objetivo e os valores alcançados até o presente momento. Podemos dizer que é o principal indicador, já que ele mostrará efetivamente se as ações tomadas estão condizentes ou devem ser alteradas.

Esse indicador deve ter um sinalizador em caso de uma performance muito abaixo do esperado, propiciando aos gestores o tempo hábil para tomar ações que possam, ainda assim, recuperar a rota para o objetivo.

Por exemplo, digamos que a empresa quer aumentar suas vendas em 10% no próximo mês e para que isso ocorra no décimo quinto dia do mês ela tem que vender 60% do esperado, segundo estudos do BI (Business Intelligence). Caso esse valor não tenha sido alcançado no tempo esperado, o responsável deve ser sinalizado.

O ideal é que esse acompanhamento seja gradual em vez de pontual e utilize ferramentas informatizadas de gestão.

As métricas de vendas são muito importantes para o alcance das metas. Acompanhando o volume médio de negócios, o ciclo de vendas e as oportunidades de vendas abertas, podemos verificar se está tudo dentro do esperado para que o objetivo seja alcançado.

São inúmeros os indicadores que podem ser utilizados e eles geram uma visão abrangente do negócio. Baseie-se nas métricas para conhecer melhor seus pontos fortes, montar estratégias para performar melhor e potencializar o seu crescimento e a satisfação do cliente. Assim, você estará um passo à frente dos seus concorrentes.

Agora que você entende as principais métricas de vendas, confira mais um de nossos posts e saiba como melhorar esses indicadores em tempos de crise.

ERP para vendas: aprenda como ele pode ajudar a aumentar o faturamento 5 meses ago

Se a sua empresa está crescendo, isso é uma evidência do seu bom trabalho como empreendedor. Porém, à medida que esse crescimento ocorre, aumenta a quantidade de informações que você precisa administrar. Afinal, é necessário analisar constantemente diversos dados relacionados com vendas, clientes, estoque, envio de pedidos e assim por diante. Se você quer simplificar todos esses processos, saiba que um ERP para vendas é a solução.

Imagine vender um produto em sua loja virtual e de repente perceber que você não tem estoque suficiente para atender o pedido, porque ninguém percebeu que aquele item estava em falta. Por outro lado, pense em como seria bom enviar um pedido ao fornecedor logo depois de fazer uma consulta informatizada no estoque atual, no histórico de vendas e na sazonalidade de certo produto. Esse é apenas um exemplo de como um ERP é poderoso.

Portanto, continue lendo este artigo para entender melhor o que é o ERP e como ele pode beneficiar a sua empresa.

O que é um ERP para vendas?

ERP se refere a Enterprise Resource Planning — em português, significa planejamento de recursos empresariais. Porém, o ERP é mais conhecido aqui no Brasil como sistema de gestão empresarial. Ele é capaz de integrar as áreas de uma empresa, como vendas, marketing, atendimento ao cliente, financeiro, além de vários outros.

As diversas áreas de uma empresa geram uma grande quantidade de informações. Agora imagine ter todos esses dados espalhados em cadernos e diversos papéis que ficam guardados em gavetas, sobre a mesa ou em uma estante. Talvez eles também estejam em computadores, no formato de planilha, texto e imagem, em diferentes pastas. Por fim, algumas informações podem estar em sistemas que administram exclusivamente as vendas ou a emissão de notas fiscais.

Concorda que é difícil tomar decisões quando você não tem um acesso rápido e fácil às informações necessárias? Um ERP resolve esse problema, visto que ele é capaz de reunir dados relacionados com diversas áreas da sua empresa. Ele pode ajudar você a melhorar a gestão do seu negócio, de forma que ele continue crescendo em um ritmo sustentável.

Será que um ERP é útil para pequenas e médias empresas?

Talvez você pense que apenas as grandes empresas têm a necessidade de usar um ERP. Porém, não é bem por aí. Há empresários que fracassaram e talvez digam que o motivo foi a falta de incentivos ou a rejeição do preço de seu produto. Porém, na maioria das vezes, os empresários falham por não fazerem uma boa gestão de seus negócios.

No caso de pequenas e médias empresas, talvez haja uma limitação na quantidade de pessoas disponíveis para realizar certas atividades. Um ERP acelera a consulta a diversas informações, como pedidos que estão em aberto, impostos que devem ser pagos e produtos que estão no estoque. Para o empreendedor de pequena e média empresa, essa otimização significa ter mais tempo para passar com a família ou mesmo para se dedicar a estratégias que farão o negócio continuar crescendo.

Como um ERP para vendas pode ajudar a sua empresa?

Tomada de decisões mais rápidas

Algumas informações podem ajudar você a tomar decisões bem acertadas. Por exemplo, é muito útil analisar quais são os produtos mais vendidos e em que época do ano certo produto é mais procurado. Isso permite fazer uma projeção das vendas e definir estratégias para aumentar o faturamento.

Um dos recursos presentes no WM10 — o ERP da Web Managers — é a fantástica ferramenta de Business Intelligence. Trata-se de painéis indicadores de performance personalizados conforme a necessidade da empresa. Eles contêm as principais informações que ajudam na tomada de decisões.

Assim, é fácil descobrir quais são os produtos mais vendidos, qual área da empresa precisa de mais investimento e como os clientes se comportam. O resultado é uma alta performance, o que acaba contribuindo para o aumento das vendas.

Mais informações para vendedores

Um ERP para vendas fornece informações úteis não só para o gestor, mas também para o time de vendas. Afinal, durante a negociação, um vendedor deve ter acesso a diversas informações do produto, a fim de fazer uma boa argumentação e fechar a venda.

O WM10 é capaz de integrar as diversas áreas de sua empresa, tornando possível que os vendedores tenham acesso a informações atualizadas em tempo real.

Aumento da produtividade

Visto que um ERP simplifica a análise de informações, o tempo do empresário e dos funcionários passa a ser mais bem aproveitado. Isso acontece porque todas as informações necessárias estão organizadas de forma lógica e coerente.

É possível personalizar o WM10 para exibir painéis de indicadores com gráficos que permitem visualizar com facilidade a situação atual da empresa.

Controle e aumento das vendas

Como dizem, quando não se sabe para onde vai, não importa para onde sopra o vento. Por isso, um bom ERP deve permitir um acompanhamento das metas estabelecidas para cada vendedor. Visualizar os resultados ajuda a estabelecer estratégias para aumentar as vendas. Além disso, um bom controle das vendas realizadas ajuda no planejamento das próximas campanhas.

O WM10 exibe relatórios e gráficos que ajudam a visualizar de maneira simples como está o rendimento de cada vendedor. Além disso, ele também ajuda a fazer um bom controle de estoque, para que vendas não sejam perdidas por falta de produtos.

Gatilhos inteligentes

Uma das coisas que o cliente mais deseja é ficar bem informado com respeito às etapas de sua compra. Por isso, um bom ERP deve ser capaz de automatizar o relacionamento com os clientes.

O WM10 trabalha com um sistema de gatilhos inteligentes que automatiza o envio de e-mails para manter o cliente informado durante todo o processo de compra, o que contribui bastante para a sua satisfação.

Conforme você viu neste artigo, um ERP para vendas pode ajudar a fazer uma gestão ainda melhor de sua empresa. Com esse sistema, é possível tomar decisões rapidamente e de forma acertada, simplificar os processos e controlar e aumentar as vendas. Assim, sua empresa conseguirá produzir mais sem a necessidade de contratar novos funcionários. Quando a equipe se compromete com as funcionalidades do sistema, o resultado é o aumento no faturamento e o desenvolvimento do negócio.

Nós, da Web Managers, temos exatamente o que você precisa. Entre em contato conosco, fale com um de nossos consultores e receba um diagnóstico gratuito!

Fique por dentro das tendências do varejo para 2019 5 meses ago

Existe uma série de tendências do varejo para 2019 que prometem aprimorar os processos e resultados de uma empresa. Conhecê-las e implementá-las é uma forma de manter o negócio moderno e acompanhar as mudanças do mercado.

Neste post, listamos algumas delas para que você saiba como elas podem ser aplicadas na prática e quais benefícios podem ser obtidos com essas tendências. Se interessou pelo assunto? Então, continue com a leitura e confira agora mesmo!

Varejo 4.0

O modelo de Varejo 4.0 tem como objetivo aprimorar a proposta de valor da empresa, ajudando a aumentar o diferencial competitivo. Para isso, deve-se investir em tecnologias que ajudam a agilizar e melhorar a coleta de dados do seu público.

Dessa forma, ao conhecer os hábitos e necessidades dos consumidores, fica mais fácil entender quais canais eles utilizam, o que mais compram, o que buscam, entre outras coisas.

A ideia é utilizar a tecnologia para aproximar o relacionamento e permitir uma interação maior com os produtos e serviços oferecidos. Com isso, o meio digital serve para auxiliar o processo de compra e aprimorar a experiência vivida com a empresa.

Assistentes digitais

As assistentes digitais são baseadas em inteligência artificial e aprendem cada vez mais com as interações com os usuários. Os exemplos mais comuns e próximos da rotina de uma pessoa são a Siri e a Cortana, assistentes virtuais da Apple e do Windows.

Elas vêm para mudar o cenário atual no mercado e otimizar a comunicação baseada em voz, criando mais um meio de interação com os consumidores. A ideia é complementar os canais utilizados atualmente para comunicação e comercialização. Dessa forma, o público poderá, por exemplo, esclarecer dúvidas e até mesmo efetuar compras.

Integração de todos os canais de atendimento (omnichannel)

Com clientes cada vez mais exigentes e a demanda por experiências diferenciadas, investir em uma estratégia omnichannel é fundamental. Por meio dela, todos os canais de atendimento e aquisição devem ser integrados, permitindo que a empresa reconheça o cliente e todas as interações que ele realizou, nos mais variados meios.

Porém, não basta oferecer essa integração. É preciso que a experiência vivida ao transitar entre esses canais não seja prejudicada. Com isso, o consumidor pode tirar dúvidas pelas redes sociais, efetuar a compra na loja virtual e escolher a retirada na loja física, por exemplo, sem sentir a diferença na qualidade do atendimento entre eles.

Loja virtual

Essa é uma das maiores tendências do varejo para 2019. Com cada vez mais pessoas conectadas à internet, já é possível imaginar o tamanho do público que você pode conquistar no ambiente online — e o melhor: sem a barreira geográfica que a loja física impõe.

Apostar no e-commerce pode ser sinônimo de ampliar a receita e com os custos consideravelmente menores, caso seja criada uma estratégia mais acertada para o negócio. Indo além, o ideal é que os ambientes digital e físico sejam integrados, principalmente no que diz respeito à gestão do estoque — lembra também que falamos sobre a possibilidade de comprar na loja virtual e retirar na física?

Chatbots

Não é segredo que as redes sociais têm um papel fundamental para a sua empresa, certo? A presença online deixa o seu negócio mais perto do público e ainda pode ser mais um meio de monitorar a opinião desse público e fornecer mais um canal de atendimento.

Nesse sentido, contar com o uso de chatbots como recurso para as mensagens auxilia a melhorar as interações. Por meio deles, você pode fazer atendimentos iniciais e responder dúvidas mais simples, além de comunicar os clientes sobre novidades.

As tendências do varejo para 2019 têm a promessa de transformar a forma como empresas se relacionam com seus clientes. Entretanto, antes de adotá-las, é preciso fazer um planejamento e conhecê-las mais a fundo, analisando se elas realmente são ideais para a sua empresa naquele momento. Assim, evita-se o risco de investir em algo que não vai trazer o retorno esperado.

Gostou de saber dessas novidades e quer continuar acompanhando os conteúdos que postamos aqui no blog? Então, não deixe de assinar a nossa newsletter e saber tudo sobre a gestão de uma empresa!

Como conquistar novos clientes nas redes sociais 5 meses ago

Saber como conquistar novos clientes é uma pergunta que fica na cabeça de muitos gestores. Em tempos nos quais a internet é cada vez mais utilizada, garantir a presença online é um dos caminhos mais eficazes — principalmente se tratando de redes sociais.

O Facebook já ultrapassou 127 milhões de usuários no Brasil em 2018. Por isso, um número cada vez maior de marcas já enxergaram o potencial que as redes têm para ajudar a atrair e reter clientes.

Neste post, vamos explorar esse assunto, explicando como atrair e reter novos clientes utilizando a internet como ferramenta. Continue com a leitura para saber mais sobre o assunto!

Qual é a importância de marcar presença no ambiente online?

As pessoas estão cada vez mais conectadas e em busca de informação na internet. É de praxe pesquisar bastante por produtos e serviços antes de fazer uma compra e ter um parâmetro para tomar a melhor decisão possível.

Assim, elas conseguem encontrar o melhor modelo de acordo com suas necessidades, saber qual é o preço justo a se pagar pelo produto e também pesquisar a reputação das marcas — buscando as opiniões de outros consumidores a respeito da experiência que eles tiveram em suas compras.

Nesse sentido, marcar presença online transmite uma ideia melhor de profissionalismo, além de permitir que você esteja mais perto desse público. Isso possibilita aumentar as interações, criar mais um canal de comunicação, investir em ações que ajudem a estreitar e melhorar o relacionamento e trabalhar o pré-venda.

Isso quer dizer que você pode melhorar a divulgação dos seus produtos, oferecer depoimentos de outros compradores, investir em anúncios pagos para alcançar um público mais qualificado, entre outras ações que ajudam a aumentar o número de conversões — e conquistar novos clientes.

Afinal, como conquistar novos clientes pelas redes sociais?

Existem diversos motivos para você criar um perfil profissional e começar a divulgar a sua empresa na internet. Entre os principais, podemos citar:

  • aumenta a confiabilidade e a sensação de profissionalismo;
  • permite conquistar fãs seguidores e aumentar o engajamento;
  • ajuda a estreitar o relacionamento e oferecer uma tratativa mais próxima;
  • possibilita influenciar as escolhas do público;
  • amplia a gestão da marca (por meio do acompanhamento de comentários, por exemplo).

Quais redes sociais podem ser utilizadas pela empresa?

Nos próximos tópicos, vamos explicar como as redes sociais podem ajudar a sua empresa a conquistar novos clientes.

Facebook

Criar uma página no Facebook ajuda a divulgar os novos produtos e serviços, aliando o uso de imagens com textos. Para encontrar mais lead nessa rede, você pode:

  • envolver-se em grupos relacionados aos assuntos de interesse do seu público (se eles permitirem a publicação de links, você pode apresentar conteúdo relevante);
  • criar postagens para divulgar seus produtos;
  • apostar em anúncios pagos, configurando as características dos perfis do público que deseja alcançar.

Instagram

O Instagram é uma rede totalmente visual, voltada para a publicação de fotos. Nela, você pode apostar ainda mais na divulgação dos produtos, publicando fotos de qualidade e que permitem ver os itens de diversos ângulos.

Assim como no Facebook, permite a criação de anúncios pagos para alcançar públicos mais qualificados. Ela ainda conta com o mecanismo das hashtags — tags específicas que indicam do que se trata determinado assunto —, o que facilita a busca dos usuários por assuntos de seu interesse.

Twitter

É um excelente canal para prospectar novos clientes. Ele também permite o uso de hashtags específicas para que as pessoas interessadas encontrem o seu negócio. Você também pode publicar links para o site da sua empresa ou para conteúdos relevantes.

LinkedIn

É uma rede mais voltada para relações profissionais, mas também permite encontrar clientes em potencial. Conta com grupos sobre diversos assuntos, como o Facebook, e você pode aproveitar esses ambientes para divulgar mais o seu negócio — apresentando conteúdo útil e participando de conversas, por exemplo.

Saber como conquistar novos clientes nas redes sociais é mais um passo para que seu negócio alcance o crescimento. Para isso, é preciso dedicar tempo para planejar e executar as publicações, interagir por meio de comentários e mensagens e solucionar dúvidas que possam aparecer. Oferecendo um atendimento diferenciado, você aumenta as chances de criar uma base de fãs engajados e que se tornam seus principais divulgadores e vendedores.

O que achou deste artigo? Aproveite para compartilhar suas opiniões e experiências sobre o assunto. Participe!

Como escrever um e-mail que vende 5 meses ago

Não basta ter um bom produto ou executar um excelente serviço se você não os oferece, não é mesmo? Para que uma empresa alcance o sucesso, é preciso saber vender e ter consigo uma boa e estruturada equipe de vendas.

As empresas que se deram conta disso, com certeza, estão passos à frente da concorrência. Existem diversas técnicas e maneiras de se fazer uma venda, mas hoje vamos falar em como utilizar o e-mail marketing para vender.

Essa poderosa ferramenta pode lhe ajudar a alavancar a suas vendas e, de quebra, estabelecer um relacionamento com o seu cliente, fidelizando-os. Se você quer saber como escrever um e-mail que realmente vende, acompanhe todo o artigo!

Comece com um assunto interessante

Para você aumentar as taxas de abertura de suas campanhas, tudo começa com a elaboração de um bom assunto. Um e-mail que não instiga a curiosidade do leitor tem mais chances de parar na lixeira sem ser lido.

Você precisa convencer logo nos primeiros 20 caracteres, então capriche no assunto! Ao escrever, pense em elaborar um título para a sua apresentação, assim como acontece com o título de obras e filmes. Veja nesse exemplo:

Assunto 1: Produto (X)

Assunto 2: Quer aumentar a performance da sua empresa? Conheça o Produto (X)

Faça uma abertura

Não chegue logo de cara oferecendo o seu produto/serviço, isso pode assustar o cliente aumentando as chances dele não continuar a leitura. Em vez disso, seja cordial, se apresente, faça uma pequena introdução do que você quer mostrar à pessoa.

A intenção é construir um relacionamento com o cliente, por isso resista à tentação de vender logo nas primeiras linhas (apesar de ser esse o objetivo do e-mail). Veja o exemplo:

Olá Carlos,

Como gerente comercial da empresa (nome fantasia), gostaria de compartilhar 
com você boas práticas que têm levado muitas empresas 
a aumentarem a performance dos seus negócios. 

Trata-se de uma ferramenta que, além de produzir dados precisos
sobre o andamento do seu negócio, lhe permitirá tomar as melhores
decisões de maneira rápida e certeira!

Escolha um tipo de abordagem

Após a apresentação, o desenvolvimento do e-mail, no qual você vai efetivamente vender o seu produto/serviço, pode ser elaborado de diferentes formas. É o caso, por exemplo, de se fazer uma abordagem mais incisiva (hard sell), ou ir aos poucos (soft sell), comendo pelas beiradas, sabe?

Vale ressaltar que os dois tipos de abordagem são ótimas opções, o que vai determinar a escolha são as suas as estratégias de venda. Vamos aos exemplos:

Hard sell

Por isso, investir em tecnologia é uma excelente saída
para se manter competitivo no mercado, como é o caso do Produto (X). 

E é aqui que eu entro: meu objetivo é que você tenha
um aumento em X% do seu faturamento utilizando o Produto (X).

E aí, topa o desafio?

Soft sell

Para lhe ajudar a melhorar o desempenho da sua empresa
e, de quebra, aumentar o seu faturamento em até X%,
minha sugestão é o Produto (X).

Eu sei que nem sempre é o momento de investir em novas tecnologias,
por isso eu lhe pergunto: essa é a sua necessidade neste momento?

Utilize gatilhos mentais

Primeiramente, vamos definir o que são os gatilhos mentais. Segundo Rejane Toigo, estudiosa de neuromarketing e proprietária da agência Like Marketing:

 

“Gatilhos mentais são informações que são colocadas no texto que vão se comunicar diretamente com a região do cérebro onde está localizada a decisão da pessoa com quem você está falando”.

Dito isso, os gatilhos mentais são palavras, frases ou imagens que são empregadas no texto para atingir o comprador, facilitando a sua decisão de adquirir o seu produto/serviço.

Vale ressaltar que os gatilhos funcionam de maneiras diferentes nas pessoas, por isso é importante conhecer a jornada de compra do seu público, ou seja, o que leva as pessoas a adquirirem o seu produto/serviço.

Nos exemplos acima, foram utilizados os gatilhos “aumentar a performance”, “melhorar o desempenho”, “aumentar o faturamento em X%”, todas pensadas na necessidade desse cliente em potencial.

Para encerrar o seu e-mail de vendas é fundamental inserir um CTA (Call to Action), convidando o seu cliente em potencial a realizar uma ação, seja ela entrar em contato, preencher um formulário ou visitar a sua home.

É interessante que o CTA seja claro e objetivo. Vejamos como podemos encerrar o e-mail de exemplo:

Se o Produto (X) lhe interessar, podemos bater um papo.
Ficarei feliz em ajudar a sua empresa a crescer! 
Basta clicar aqui em preencher o formulário.  

José da Silva - gerente comercial 

Empresa (nome fantasia)

Endereço e telefone

Para fazer um e-mail eficiente de venda não é preciso escrever muito. A palavra-chave aqui é: seja direto. A simplicidade guia o comprador exatamente pelos caminhos que você deseja que ele percorra.

Assim, não é preciso um texto cheio floreios, porque a intenção do e-mail de venda é despertar o interesse da pessoa e fazer com que ela identifique uma necessidade, considerando o seu produto/serviço como uma possível solução.

E aí, pronto para colocar essa estratégia em prática. Compartilhe conosco aqui nos comentários como foi a sua experiência!

4 dicas matadoras para aumentar o ticket médio 6 meses ago

De acordo com o autor e palestrante Josh Kaufman, para uma empresa alcançar o sucesso, é necessário fazer uma inteligente combinação entre dinheiro, status, poder, conhecimento, proteção, prazer e até excitação. Além disso, também é necessário comunicar todo esse processo com seu público-alvo de forma clara.

“At the core, all successful businesses sell some combination of money, status, power, love, knowledge, protection, pleasure and excitement. The more clearly you articulate how your product satisfies one or more of these drives, the more attractive your offer will become” — , Josh Kaufman, The personal MBA.

A partir dessa análise, é possível entender um pouquinho da importância de se realizar uma boa estratégia de pricing. Afinal, o preço cobrado pelo produto ou serviço oferecido pela empresa está diretamente relacionado à percepção de valor da sua persona. No entanto, uma boa estratégia de pricing vai além das táticas de marketing.

Um preço bem elaborado e validado para com o mercado é o motor que fará a empresa aumentar a velocidade em que corre. Mas, de nada adianta cobrar mais se não entregar um valor agregado que convença o público de que o preço é justo. Pensando no assunto, reunimos algumas dicas interessantes para ajudar sua empresa a aumentar o ticket médio. Confira!

1. Ofereça produtos complementares

Robinson Shiba, empresário de sucesso e criador de uma das maiores redes de comida asiática do Brasil, sempre dá dicas para empresários durante a série Shark Tank Brasil sobre mix de produtos. Para o desenvolvedor da China in Box, uma empresa que trabalha com um único produto tem grandes dificuldades para se destacar no mercado.

Por isso, a dica é trabalhar com um mix de produtos mais variado. Essa atitude aumenta a probabilidade de conquistar um ticket médio superior e também oferece oportunidades de o empresário perceber mudanças de comportamento do consumidor.

2. Crie combos ou kits de vendas

Uma segunda dica interessante é oferecer kit de produtos que se complementam. Essa prática é encantadora, pensando que o consumidor pode estar esquecendo de uma determinada necessidade. Um exemplo dessa atitude é o combo de brinquedos com pilhas que os fazem funcionar.

Essa prática é tão eficaz que já existem livros, como Contágio — Por que as coisas pegam, de Jonah Berger, que desenvolvem bons capítulos sobre a importância desses gatilhos mentais.

3. Trabalhe com descontos

Sem dúvidas, uma das principais estratégias de vendas de curto prazo no varejo é trabalhar com descontos. Por isso, essa prática não é um diferencial, é uma atitude obrigatória das empresas que estão presentes nesse mercado tão competitivo.

Por isso, pensando em aumentar o seu ticket médio, pense em quais modelos de descontos a sua segmentação de mercado mais se interessa. Alguns exemplos são:

  • desconto progressivo por quantidade de produtos comprados, por exemplo: 10% em 2 produtos, 20% em 3, 40% em 5;
  • produtos grátis, como: compre 2, leve 3;
  • desconto a partir de uma quantidade de produtos comprados, por exemplo: 25% de desconto a partir de 5 peças;
  • desconto em valor bruto, como: ganhe R$ 130 a cada R$ 500 em compras.

4. Invista em treinamento da equipe

Todas as práticas citadas são importantes. Mas, para funcionarem é indispensável um time bem treinado que tenha como foco o bem-estar do cliente. Afinal, todos os dias milhares de empresas perdem boas quantias de dinheiro devido a um atendimento insatisfatório. Por isso, não foque apenas nas técnicas mas também no treinamento do seu time.

Sem dúvidas, para uma empresa ganhar fôlego financeiro e se manter competitiva é necessário ter um bom ticket médio. Para isso, a aplicação de algumas práticas pode ajudar de forma muito significativa. Para potencializar os resultados, a aplicação de tecnologia nos processos é uma ótima alternativa.

Se você gostou das dicas e quer continuar aprendendo sobre o assunto, assine a newsletter e receba as nossas atualizações em seu e-mail!

') }(jQuery));